Deus: amor personificado – João 15:13

Indicado para três prêmios Grammy, o hit “One of Us” faz a pergunta: “E se Deus fosse um de nós?”

A resposta é que Deus se tornou um de nós. É quem é Jesus.

Ele é o Deus que andou nesta terra, que nos ama e que nos mostrou Seu amor de uma forma tangível, indo à cruz e morrendo lá em nosso lugar.

Mesmo assim, muitas pessoas se perguntam como é Deus. Ele é um desmancha-prazeres cósmico que quer arruinar nossas vidas? Ele é uma espécie de ursinho de pelúcia sentimental que realmente não se importa?

Bem, a Bíblia diz que Deus é amor. Não diz que Ele está apenas amando; diz que Ele é amor. Deus é o amor personificado. Ele é o amor encarnado. Claro, isso não significa que Ele não seja justo, porque a Bíblia certamente ensina que Ele é. Mas Deus nos ama.

No livro de Lucas do Novo Testamento, encontramos uma das histórias mais conhecidas nas páginas das Escrituras que nos mostra a atitude de Deus para conosco, mesmo quando o falhamos miseravelmente. É uma parábola que Jesus contou para nos mostrar como é Deus.

No início da história, encontramos um jovem que decidiu sair de casa. Não sabemos muito sobre ele. Mas podemos imaginá-lo como um adolescente que está cansado das restrições de viver em casa com o pai.

Então ele disse, com efeito: “Olha, papai, quero sair e viver a vida da maneira que escolhi vivê-la. Estou cansado de ficar aqui sob seu teto. Eu quero minha parte da propriedade que está vindo para mim. ”

Agora, teria sido muito difícil dividir a propriedade enquanto seu pai ainda estava vivo. Mas este menino não se importou em incomodar seu pai. Ele não se importava com o sofrimento ou dificuldade que isso traria. Tudo o que importava era ele mesmo.

Seu pai poderia ter negado, é claro. Seu pai poderia ter dito: “Você não vai a lugar nenhum, filho. E se você tentar ir, eu vou lidar com você. ” Em vez disso, seu pai deu-lhe o livre arbítrio, a capacidade de escolher.

Não sei que tipo de casa esse menino tinha, mas a Bíblia nos dá algumas dicas. Parecia ser uma casa relativamente rica. Eles provavelmente moravam em um bairro legal. Eles certamente tinham servos trabalhando para eles.

Também poderíamos supor que era um lar afetuoso. Isso porque quando o menino voltou, vestido com trapos e cheirando horrivelmente, seu pai jogou os braços em volta dele e o beijou várias vezes.

Portanto, não acho que houve problemas em casa que afastaram esse menino. Em vez disso, acho que havia problemas em seu coração.

Em sua mente, seu pai estava entre ele e o que ele realmente queria, que ele pensava estar fora de sua casa. Talvez ele estivesse cansado da escola, do trabalho ou das responsabilidades. Então ele foi embora porque as luzes brilhantes da cidade grande estavam chamando.

Ele nem mesmo ofereceu uma palavra de agradecimento. Ele não disse: “Pai, obrigado por todos esses anos cuidando de mim e me sustentando”. Não, ele estava fora de lá.

Ele saiu de casa com ânimo e dinheiro no bolso. E quando ele chegou à cidade, ele sem dúvida era uma pessoa popular. Mas a Bíblia diz que “ele desperdiçou todo o seu dinheiro em uma vida selvagem” (Lucas 15:13 NLT). O dinheiro acabou rapidamente e ele foi reduzido a nada. Ele atingiu o fundo rapidamente.

Então lemos: “Quando seu dinheiro acabou, uma grande fome varreu a terra e ele começou a morrer de fome. Ele convenceu um fazendeiro local a contratá-lo, e o homem o mandou para seus campos para alimentar os porcos. O jovem ficou com tanta fome que até as vagens com que alimentava os porcos pareciam boas para ele. Mas ninguém lhe deu nada ”(versículos 14-16 NLT).

A fome sempre virá após uma temporada de pecado. Em outras palavras, o pecado será divertido por um tempo, e então você verá como ele é. No início, o mundo é sua ostra, mas de repente a ostra se fechará sobre você.

Isso é o que aconteceu com o jovem em nossa história, e a Bíblia nos diz que “ele finalmente caiu em si” (versículo 18 NLT).

É incrível quando isso acontece na vida de alguém. Às vezes, é um processo um tanto gradual e às vezes é instantâneo. Mas eles percebem que não gostam do que estão fazendo. Por exemplo, eles podem perceber que os assim chamados amigos não são realmente amigos. Ou decidem que estão cansados ​​de ficar bêbados ou usar drogas. Simplesmente amanhece para eles.

Mas eles têm que ver isso por si mesmos.

Este jovem originalmente pensou que passava por dificuldades na casa de seu pai, mas passou a ver as coisas como realmente eram.

Aqui está o que aconteceu a seguir: “Então ele voltou para casa com seu pai. E quando ele ainda estava muito longe, seu pai o viu chegando. Cheio de amor e compaixão, ele correu para seu filho, abraçou-o e beijou-o ”(versículo 20 NLT).

Esta história ilustra duas coisas: a pecaminosidade da humanidade e o amor de Deus. Todos nós fugimos de Deus, mas Deus nos ama e está disposto a fazer qualquer coisa para nos levar de volta.

Jesus disse: “Ninguém tem maior amor do que este, do que dar a vida pelos seus amigos” (João 15:13 NKJV).

Parte o coração de Deus quando O deixamos. Ele fica profundamente ferido quando pecamos contra Ele e violamos Seus mandamentos. Mas Deus permitirá que façamos nossas próprias escolhas.

No entanto, mesmo quando falhamos miseravelmente, Deus está disposto a nos perdoar se cairmos em si e formos a Ele.

Mas não é suficiente simplesmente perceber que somos pecadores. Não é o suficiente para perceber que Jesus morreu por nossos pecados e oferece perdão. Temos que agir sobre isso.

E deixe-me apenas dizer que não estamos fazendo um favor a Deus ao considerar Sua oferta para nós. Em vez disso, Ele está nos fazendo um favor ao oferecer isso em primeiro lugar. Então corra até Ele e receba Sua oferta de perdão antes que seja tarde demais.

Gostou do texto, deixe seu comentário!
fonte: harvest

Deixe um comentário